Publicado em:27 de fevereiro de 2017

Publicado em:26 de fevereiro de 2017

Novas/Antigas fotos de Peter saindo de um restaurante depois do almoço em LA

Leia Mais ››

Outtake de Dakota com sua irmã Elle Fanning na edição da Vogue de Março 2017

Leia Mais ››

Bryce Dallas Howard já está nas filmagens de Jurassic World 2

As filmagens de Jurassic World 2 começaram no dia 23, em Londres. O filme tem data de estreia marcada para 22 de Junho de 2018.

C5bqMFAWgAAumWx.jpg






Leia Mais ››

The Telegraph: The Lost City of Z é um clássico instantâneo


Rudyard Kipling entendeu o que motivou Percy Fawcett. Em seu poema de 1898 "O Explorador", Kipling escreveu sobre um homem estimulado à aventura por uma voz - não um divino, rompimento de nuvens, mas um implacável sussurro interior, espetando-o com a perspectiva de maravilhas "perdidas atrás das Ranges", esperando pela descoberta para torná-los reais.

Fawcett ouviu aquela voz e atendeu. Nascido em 1867, foi arqueólogo e coronel da Artilharia Real, que se convenceu, durante uma série de expedições de mapeamento para a Amazônia, de que em algum lugar da selva havia uma cidade de ouro e milho - tão antiga que talvez tenha sido anterior à própria civilização ocidental . A evidência era escassa e tênue: depoimentos de nativos, utensílios de cerâmica e escultura, códigos estranhos esculpidos em rocha, mas Fawcett não conseguia descansar até ver onde o rio conduzia.

Essa viagem até a fonte do rio - tanto uma viagem da mente como uma caminhada através do subproduto do mundo real - é a matéria prima de James Gray, "The Lost City of Z", um filme arrebatador, profundo e assombroso em seu poder emocional diferente de qualquer coisa que eu tenha visto no cinema há anos. Como um pedaço de drama histórico (foi adaptado por Gray do livro de não- ficção do mesmo nome por David Grann) é sincero e escrupuloso.

Como um trabalho de cinema, é um clássico imediato, apto para ficar ao lado do melhor de Werner Herzog e Stanley Kubrick - embora também seja inteiramente seu próprio mérito, clássico até os ossos ainda que não muito como qualquer coisa que veio antes dele. Em filmes anteriores como "The Immigrant" e "We Own The Night" (Os Donos da Noite), eu ocasionalmente encontrei o estilo cuidadoso de Gray, um pouco distanciado e difícil de amar. Depois deste, eu tive que recuperar minha alma do teto com um espanador de pena de cabo longo.

Fawcett é maravilhosamente interpretado por Charlie Hunnam, a estrela corajosa da série de TV "Sons of Anarchy" e dos filmes de Guillermo del Toro, Pacific Rim e Crimson Peak. É um papel construído em complexo, não com qualidades obviamente cinematográficas como decência, honra e convicção, mas Hunnam os traz à vida com total persuasão..

O filme começa com uma cena aleatória de fogos e tambores em uma clareira da selva - o segredo já está esperando Fawcett, antes mesmo dele saber que quer encontrá-lo - então ele se muda para um quartel do exército britânico em Cork, na Irlanda, em 1905, onde ele e seus colegas oficiais são excelentes caçadores.

A sequência de caça é um sonho de pompa - a câmera correndo com os cães de caça num momento e em seguida, voando sobre o próximo, tudo para mexer música gaita. (A trilha sonora inclui uma radiante e ardente partitura de Christopher Spelman e obras perfeitamente escolhidas de Stravinsky, Ravel, Strauss, Verdi e Beethoven).

Fawcett participa da caçada, mas ele tem mantido distância das celebrações de sua classe, já que único de suas apostas sociais lamentavelmente, foi "um pouco infeliz em sua escolha de antepassados": em outras palavras, seu pai era um jogador e um bêbado.

Por isso, quando o grandalhão da Royal Geographical Society, Ian McDiarmid, pede a Fawcett que viaje para a América do Sul e resolva uma disputa de terras entre a Bolívia e o Brasil, ele sugere que a missão de dois anos poderia ser um meio de recuperar seu nome de família. Fawcett aceita, apesar de significar deixar para trás sua amada esposa, Nina, (Sienna Miller) e o filho Jack (interpretado como criança por Tom Mulheron e Bobby Smalldridge, e mais tarde como um adolescente por Tom Holland). A eternidade vem antes do aqui e agora.

Na viagem para a Bolívia, Fawcett encontra seu ajudante de campo Henry Costin, interpretado por Robert Pattinson, como uma espécie de vencedor e excêntrico personagem de apoio de Tintin, que Hergé nunca conseguiu pensar. Há um momento surpreendente quando Fawcett força Costin a derramar o conteúdo de sua garrafa de bolso na pia - ambos os homens precisam estar sóbrios e prontos para os desafios adiante - e em um aceno para a transição icônica de Lawrence da Arábia, de fósforo apagado para sol nascente do deserto, Gray corta do gotejamento acobreado do conhaque para um trem de vapor cortando o deserto.

Apesar de Fawcett ser um arqueiro de sua frieza, a própria selva ondula com a loucura de Herzogian: pegue a casa de ópera construída em madeira, complete com orquestra, que ele e Costin encontram à noite em uma clareira, presidida por um barão da borracha (Franco Nero) descansando perto de um tesouro de utensílios de prata, em um terno branco esfarrapado. Realmente se parece com um território inexplorado - e em expedições posteriores, velhos espantosos padrões como antropófagos canibais e cardumes de piranhas assassinas de repente parecem fantásticos e perigosos.

É na sua primeira viagem que Fawcett faz as descobertas arqueológicas que levam a sua teoria da existência de Z, a cidade perdida (pronunciada "Zed") - que, numa reunião da Royal Society e






Via
Leia Mais ››

Postagens mais antigas Página inicial